segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Cicloviagem pela Costa Verde - 255 km

Atualização [14/julho/2011] 

    Pessoal, somente agora consegui fazer o upload de um vídeo com mais de 15 min. no Youtube! Ebaaaa... Assim segue abaixo o registro em vídeo da nossa cicloviagem! 

Abs.


Preparativos

    Seguindo o que já está se tornando uma tradição para o grupo resolvemos fazer neste ano (2010) uma nova cicloviagem. No ano passado pedalamos (clique aqui para ver como foi!) pelas serras da Bocaina e da Mantiqueira nas divisas dos estados de Minas, São Paulo e Rio e este ano optamos por uma cicloviagem mais leve. Discutindo as opções resolvemos fazer então um pedal pela Costa Verde na rodovia Rio-Santos (BR 101) de Caraguatatuba/SP até Ilha Grande (Angra dos Reis/RJ). Nosso grupo foi formado por 6 integrantes: Ciça, Denis, Gustavo, Paulo, Ribas e Zwi. Nosso grande amigo Roni, companheiro da viagem anterior, não pôde nos acompanhar este ano devido a assuntos pessoais.

Zwi, Gustavo e Ribas ainda em Campinas


Dia 12 de Junho - Saída de Campinas/SP, visita ao morro de Santo Antônio e viagem de Caraguatatuba/SP à Ubatuba/SP


Denis e Zwi
A viagem até o litoral foi tranquila descontando, é claro, o sono e o friozinho que fazia na estrada. Por sorte apenas nosso amigo Paulo (risos) sofreu com um vento incômodo que congelou suas pernas até pelo menos metade do caminho! Não aguentando mais ver aquilo resolvemos finalmente lhe oferecer um cobertor (era um saco de dormir!) para amenizar o frio! No meio do caminho demos aquela paradinha estratégica, em São José dos Campos, para esticar as pernas e comer algo chegando em Caraguá antes do alvorecer.



Vista do topo do morro de Santo Antônio
 Paramos em frente ao Morro de Santo Antônio e, apesar da garoa fininha que caia, resolvemos subir até o topo. Caminhamos por aproximadamente meia hora por uma subida bem ingrime, atingindo finalmente o cume. Neste momento pensamos que tínhamos perdido a viagem, pois a visão da orla estava toda ofuscada devido à neblina. Na ocasião fomos recompensados (e surpreendidos!) com uma abertura repentina do céu causada pelo vento e conseguimos observar todo o litoral que se abria a nossa frente. Depois de poder admirar aquela bela paisagem descemos com as energias renovadas para o primeiro dia de pedal.

    Como o tempo "corria" tomamos um café reforçado em uma das padarias da cidade, nos despedimos do nosso motorista (que é também companheiro de pedaladas!) e de seu navegador e partimos rumo à praia de Itamambuca em Ubatuba.

    Neste trecho, entre duas cidades, tivemos que pedalar com cuidado pela rodovia, pois o tráfego de veículos apesar de não tão intenso, existia. Fizemos algumas paradas para tirar fotos e para almoçar além de conhecer algumas praias que íamos encontrado pelo caminho. Neste primeiro dia os apelidos começaram a surgir com grande velocidade...
Zwi, Paulo, Gustavo, Ciça, Denis e Ribas
Ficamos sabendo de um tal "gordinho da bike" que despontava na frente e era inalcançável (e pensavam que ele não pedalava nada hein dona Ciça!).
Passamos um dia muito tranquilo ora cantando, ora contando piadas e ora rindo uns dos outros. Tudo isso em grande harmonia uns com os outros até o nosso destino final.

Distância percorrida: 68,67 km

Frase do dia: "...eu achava que este gordinho não pedalava nada!"

Dia 13 de Junho - Ubatuba/SP (Itamambuca) à Paraty/RJ

Praia de Itamambuca - Ubatuba/SP
   Dia novo pedal novo! Mas antes disso eu, Paulo e Zwi resolvemos tomar um banho de mar. Acordamos bem cedo, antes do Sol raiar, e caminhamos da pousada até o mar. No caminho atravessamos um rio e um pedacinho de mangue, aproveitando a maré baixa, e chegamos à praia de Itamambuca. foi engraçado notar a diferença de temperatura existente entre a água do rio (bem fria) e a água do mar (não tão fria) na hora do banho. O lugar no qual estávamos era realmente muito bonito principalmente perto do nascer do Sol mas não pudemos ficar por muito tempo contemplando a paisagem porque ainda tínhamos muita estrada por percorer até Paraty.

   Logo após esta caminhada retornamos à pousada, tomamos café, ajeitamos as tralhas e partimos rumo ao nosso destino. Antes de pegar a estrada compramos uma garrafa de conhaque Domecq (só para deixar registrado aqui eu nem bebo ok! Por isso não posso ser acusado fazer com que a Ciça carregasse peso extra por mais de 100 km... sacanagem isso hein senhores! rsrsrsrs) que seria gentilmente carregada pela Ciça até a Ilha Grande.
Costa Verde - Ubatuba/SP
Costa Verde - Ubatuba/SP
Costa Verde - Ubatuba/SP




Pássaro atropelado na rodovia
Neste trecho, um dos mais bonitos da viagem, tiramos várias fotos e visualizamos lugares muito bonitos que raramente são apreciados quando fazemos tal viagem de carro. Esta é inclusive uma das vantagens de se viajar de bike que citamos para os amigos que nos perguntam sobre este tipo de passeio! Pudemos observar também muitos pássaros mortos na rodovia (possivelmente atropelados pelos carros) fato que, infelizmente, iríamos presenciar por todo caminho.



   Neste dia enfrentamos a subida mais longa do trecho que é aquela que existe entre as divisas dos estados do Rio e de São Paulo. Para a nossa sorte bem ali existe o famoso Bar da Linguiça onde paramos e pudemos comer algo antes de prosseguir.
Domingueiras pedalando
  Após uma breve pausa recuperamos as energias e continuamos a viagem. Quase chegando em Paraty o Paulo, carinhosamente chamado de penetra (olha a Ciça ai de novo! rsrsrs), foi acometido por uma dor repentina em seu joelho direito. Assim resolvemos caminhar alguns poucos quilômetros para que ele se recuperasse e pudesse continuar a viagem conosco! Tirando este pequeno incidente chegamos bem em Paraty e nos hospedamos na mesma pousada utilizada na cicloviagem de 2009. À noite saímos para passear e jantar e, incrivelmente, devido a gama de opções que tínhamos, escolhemos um restaurante não muito bom para comer... O peixe até que estava bom mas o bife fez chorar... Faz parte do jogo!


Distância percorrida:  53,50 km

Frase do dia: "...Paulo para que levar tanta coisa? Está fazendo mudança?" (Sobre o alforge dele, que era o maior de todos!)

Dia 14 de Junho - Paraty/RJ à Mambucaba/RJ

Forte de Paraty/RJ
   Após uma noite de sono bem dormida e do café da manhã pegamos a estrada. Antes disso tivemos que fazer uma parada estratégica em uma bicicletaria de Paraty para que a bike do Zwi fosse ajustada antes da viagem. Antes de sair da cidade resolvemos visitar o Forte Defensor Perpétuo. O lugar é realmente muito bonito e nos fez conhecer uma pequena parte da história da cidade...



Passeio encerrado, voltamos para a estrada novamente. A partir deste trecho o Ribas, apesar de não poder falar muito devido à uma súbita perda de voz  nos guiou pela orla fluminense.

Pedalando e cantando
É legal ou não é?
 Começou por me corrigir um erro básico que sempre passou despercebido. Sempre o chamei de "Ribas Carioca", mas Carioca é quem nasce na cidade do Rio de Janeiro (eu aprendi errado com a tia da escola acreditem!), quem nasce em outras cidades do estado, como ele nasceu, é Fluminense! Assim tive que me adaptar e começar a chamá-lo de "Ribas Fluminense" (com ênfase no "S"). Neste trecho encontramos obras de recuperação na estrada devido às quedas de barreiras, que inclusive encontramos por todo nosso caminho desde Caraguá. Estas obras felizmente não nos impuseram grandes dificuldades ou atrasos.

Vale citar aqui um episódio interessante que ocorreu entre as duas cidades. Ao pararmos na Toca do Pastel resolvi devolver um pouco de água para a natureza e fui ao banheiro. Querendo me pregar uma peça "todos" pegaram suas coisas e foram embora por uma descida de quase 2 km que existe a partir daquele ponto... Ao sair do banheiro não encontrei ninguém a não ser a mochila, a luva e cia. ltda. que o senhor Zwi esqueceu bem em cima da mesa... Resumindo, ele pegou só a bike e desceu todo tranquilo a ladeira abaixo! Como bom amigo peguei seus pertences e fui ao encontro deles lá em baixo. Ao encontrá-lo percebi que a "ficha já tinha caído" e ele estava quase fazendo o caminho de volta todo aflito para corrigir o esquecimento... A partir daí ele não tirou mais a mochila da costa por todo o passeio (risos). Tirando fotos, conhecendo praias e nos divertindo bastante chegamos à bela pousada na qual ficamos hospedados em Mambucaba/RJ. 

Vista da pousada em Mambucaba
À noite jantamos em um lugar simples, mas de comida muito farta e gostosa, e retornamos à pousada onde aproveitamos o fim da noite para conversar, cada um relembrando um pouco as experiências vividas no passado... 

Distância percorrida: 58 km

Frase do dia: "...e saiba que quem nasce no estado do Rio de Janeiro é Fluminense, não Carioca!" (Sorry for my mistake!)

Dia 15 de Junho - Mambucaba/RJ à Angra dos Reis/RJ (Ilha Grande)

   Novamente aproveitamos o amanhecer e eu, Ciça e Zwi resolvemos caminhar pela praia, pudemos observar os pescadores preparando os barcos para mais um dia de trabalho Desta vez não tivemos coragem de nadar mas fizemos uma pequena caminhada pela praia onde conversamos brevemente sobre o privilégio que é poder fazer uma cicloviagem por lugares tão bonitos quanto aqueles nos quais estávamos naqueles dias.

Neste dia o pedal foi leve, com a altimetria tranquila, e aproveitamos para realizar mais paradas e tirar belas fotos. Passamos pelas usinas nucleares de Angra e aproveitamos o lugar para mais alguns cliques! Chegamos em Angra dos Reis antes do horário do almoço, como tínhamos planejado, e procuramos um lugar para almoçar. Decidimos comer perto do cais do qual, ao saborear uma deliciosa picanha, pudemos observar por algum tempo todos os barquinhos que, mesmo atracados, navegavam em conjunto de um lado para o outro acompanhando o balanço do mar!

Barcos no cais em Angra dos Reis/RJ

Refeitos do pedal, depois do descanso e do belo almoço, resolvemos fazer um pequeno passeio pela cidade e fomos visitar o Colégio Naval de Angra. Apreciamos a bela arquitetura do lugar e nos safamos de ser repreendidos pelos guardas do local por pouco. Explicando melhor: na frente do Colégio Naval existe um sino que só pode ser tocado pelo pessoal autorizado e que a Ciça quase badalou! 

Colégio Naval em Angra dos Reis/RJ

   Finalizado o tour nos dirigimos para a Barca que faria a nossa travessia entre Angra e a Ilha Grande. Curiosamente viajamos bem no horário do jogo da seleção na Copa, mas conseguimos chegar na Vila do Abraão uns 20 minutos antes do jogo terminar e pudemos acompanhar a vitória da seleção. Para a estadia na Ilha não nos preocupamos em reservar a pousada com antecedência porque como viajamos fora de temporada poderíamos escolher com mais tranquilidade onde ficar. Durante a viagem até a Ilha conhecemos o Mateus que se ofereceu para nos mostrar a pousada que administra.

Paulo e Ciça jogando tênis de mesa

    Fomos até lá e gostamos das acomodações decidindo por ficar ali nos outros 2 dias que ainda nos restavam. À noite preparamos Domecq com café e os apreciadores puderam tomar um trago depois do jantar!

Distância percorrida: 55 km

Frase do dia: "...você não vem mais! Não vou trazer mais!" (Paulo, curtindo com a gente em resposta às brincadeiras que fazíamos com ele!)

Dia 16 de Junho - Ilha Grande - Praia dos Dois Rios e visita ao presídio da Ilha Grande

Trilha até os Dois Rios
   Depois de um café da manhã reforçado saímos para a nossa primeira aventura na Ilha Grande! Tiramos os alforges das bikes e resolvemos pedalar até a praia dos Dois Rios. Encaramos uma subida forte de mais de 4 km pedalando sobre uma estrada coberta com "pedras" formadas por restos de entulho de construção. Para quem não tem toda esta disposição existe um ônibus que faz este trajeto uma vez ao dia além de um carro de transporte que leva o pessoal até o campus da UERJ localizado naquela praia. Durante o percurso pudemos observar algumas pequenas cachoeiras além de escutar o canto dos pássaros que habitam a ilha.



Presídio colônia penal Cândido Mendes
Chegando à praia fomos visitar o museu que existe dentro do presídio (desativado em 1994) e pudemos conhecer um pouco da sua história. Soubemos, por exemplo, que alguns presos ilustres, como o ex-governador Leonel Brizola e o escritor Graciliano Ramos, que escreveu o clássico Memórias do Cárcere,   passaram por ali. Soubemos também que naquela época, devido à convivência entre os presos comuns e presos políticos, surgiu o Comando Vermelho. Depois do roteiro cultural fomos para a praia! Encontramos um lugar deserto, muito preservado e de beleza natural indescritível. 

Praia dos Dois Rios / Ilha Grande - Angra dos Reis/RJ

   Perto do mar, onde a areia é mais compacta, pedalamos em um breve tour até a ponta direita da praia na qual um rio de águas cristalinas (e congelantes!) separava a praia do morro que tínhamos acabado de descer.
Depois de um banho de mar e de um refrescante (refrescante?) banho de lagoa fomos almoçar já tristes por ter que deixar um lugar tão bonito como aquele para trás.

Distância percorrida: 20 km

Frase do dia: "...pena podermos ficar tão pouco tempo em um lugar tão bonito assim!"


Dia 17 de Junho - Ilha Grande - Passeio de escuna até a Lagoa Azul

   Último dia na ilha e o primeiro sem bike! Acordamos cedo como sempre, tomamos um café da manhã reforçado na pousada e partimos nosso esperado passeio de escuna. Tivemos a oportunidade de conhecer dois pontos muito bonitos da ilha, o Saco do Céu e a Lagoa Azul

Lagoa Azul / Ilha Grande - Angra dos Reis/RJ

 No trajeto até o primeiro vimos uma igrejinha (construída no século XVII para a catequese dos índios) construída apenas com areia e óleo de baleia além, é claro, da bela costa da ilha repleta de vegetação preservada e belas paisagens.

Mergulho entre os peixes
Praia de Japariz / Ilha Grande - Angra dos Reis/RJ
Embora não fosse verão a água do mar não estava gelada e aproveitamos o "mar plano" para nadar um pouquinho nesta nossa primeira parada. Apesar de bonito o que nos deslumbrou mesmo foi a parada na Lagoa Azul. Lá pudemos nadar entre os peixes e os corais marinhos aproveitando para conhecer um dos pontos turísticos preferidos dos turistas que frequentam a ilha. Vale comentar também que boa parte da diversão do passeio foi devida às brincadeiras feitas entre o Paulo e o Gustavo. Os dois tinham "tiradas" muitos rápidas e engraças um com o outros e nos fizeram rir unúmeras vezes. Aos dois deixamos os parabéns pelo divertimento! Antes do retorno paramos na praia do Japariz para almoçar retornando para a Vila do Abraão por volta das 16h00. À noite saímos para jantar e para comprar algumas lembrancinhas para nossas famílias.

Distância percorrida: N/A

Frase do dia: "...Only the best" (Zwi, ao descrever a sensação de nadar com os peixes ao redor apreciando a bela paisagem da Lagoa Azul)

Dia 18 de Junho - Despedida da ilha e retorno a Campinas/SP

   Dizem que tudo o que é bom dura pouco. Pelo menos desta vez foi verdade!

Jantar na noite anterior antes de deixar a ilha

Dia do retorno à Campinas acordamos cedo já arrumando as tralhas para não perder o horário da barca até Angra. Infelizmente não foi possível conhecer todas as opções de aventura da ilha desta vez ficando um gostinho de quero mais! Valeu a pena? "Tudo vale a pena se a alma não é pequena...". Nos divertimos bastante, estreitamos nossos laços de amizade e novamente conhecemos lugares e pessoas que nos fizeram refletir sobre o quão bom é viajar e fazer amigos.


Distância percorrida:  N\A

Frase do dia: "...tudo vale a pena se a alma não é pequena..." (Zwi, citando Fernando Pessoa no poema Mar Português...)

Agradecimentos
A todos aqueles que nos ligaram durante aquela semana desejando uma boa cicloviagem;
Aos colegas que fizemos durante o passeio;
Às nossas famílias, por nos apoiarem em mais esta aventura;
Ao Carlos Augusto Matos pela ajuda na revisão;
Ao Anselmo da Troféu Bikes pelo transporte.

Para ver outras fotos da viagem clique aqui!

Caso tenha algum comentário sobre este relato email-me: denis.rodrigues(arroba)gmail.com  

2 comentários:

Nailane disse...

Ual!

Quantas aventuras! Eu gosto de ver essas coisas..Dá uma invejinha...rs! Transparece uma sensação de liberdade...

É bem verdade que quem está de carro não aprecia muito, a atenção é toda voltada pro volante, as pessoas nem percebem os tesouros ao redor, correr pra produzir é infelizmente sempre mais importante...

Você escrevia algo todos os dias?

Esses seus amigos, não havia nada que impedisse essa viagem como família, emprego? Vocês combinam o período de férias?

Minha nossa! Isso daria um livro! À propósito, já pensou nisso? Escrever um livro tipo..."As aventuras de Denis em suas cicloviagens?" rs Poxa...podia dar certo, a gente que não faz muito dessas coisas, apreciarímos e viajarímos por meio do livro e das fotos, Por que não? rs

Uma mulher! Que poderosa essa D. Ciça hein?! rsrs

Que imagens boas...ual! ual²...Essa vista do topo do monte Santo Antonio?! Que que isso...Maravilhoso presente de Deus hein? Muito show, parecia estar muito frio...

Devolver água pra natureza é? KKKKKKKKKKKKKKKKKK Essa foi boa!

Bacana esse trecho: "Passamos um dia muito tranquilo hora cantando, hora contando piadas e hora rindo uns dos outros. Tudo isso em grande harmonia uns com os outros até o nosso destino final." Que coisa mais gostosa isso, to precisando fazer isso com os meus também, sem as preocupações do dia-à-dia...Tá me lembrando os episódios Acapulco do Chaves! KKK

Adorei esse seu tour viu! Cheio de altos e baixos como aquele passarinho morto, tadinho..sniff...Além de arrancarmos o espaço deles...também a vida, mas as coisas são o que são não é, lamento por isso, no entanto vi que prevaleceu coisas incríveis no percurso das quais valeram a pena...Aquela Alagoa Azul sem cometários, sensacional esse contato com os peixes..Eu nem aguentaria, morreria de rir de cócegas rsrs!
Achei um gesto super "fofo" e companheiro da parte de vocês caminharem pelo fato do colega estar com dor no joelho...Algo como "um por todos e todos por um".

E esse desfecho : "Nos divertimos bastante, estreitamos nossos laços de amizade e novamente conhecemos lugares e pessoas que nos fizeram refletir sobre o quão bom é viajar e fazer amigos.", muito bom, digno de livro mesmo...

Obrigada por compartilhar mais uma vez!! :-)
É...acho que me empolguei, rs! Uma redação pra você ler! KKK

Pedro Barreto disse...

Grande Dênis! Já falei pessoalmente mas deixo aqui registrado meus parabéns pela viajem e relato. Ficou muito bom! Abs